a

O CTO – Centro de Terapia Oncológica é uma clínica dedicada aos pacientes portadores de neoplasias, que atende particular, SUS e Convênios.

(24) 2244-2005

contato@ctopetropolis.com.br
Rua Dr. Sá Earp, 309 - Petrópolis/RJ

Notícias Recentes

Segunda - Sexta 08:00 - 18:00

Sábado 08:00 - 14:00 | Domingo - FECHADO

(24) 2244-2005

contato@ctopetropolis.com.br

Rua Dr. Sá Earp, 309

Centro - Petrópolis/RJ

Siga nos

Pacientes oncológicos destacam luta contra o câncer de próstata e aconselham sobre importância de fazer o exame

Pacientes oncológicos destacam luta contra o câncer de próstata e aconselham sobre importância de fazer o exame

Acompanhamento deve ser feito com urologista todos os anos

Conscientizar os homens sobre a importância do acompanhamento médico a partir dos 40 anos ainda é um desafio. É comum os pacientes lidarem com o preconceito com relação aos exames que ajudam a identificar o câncer de próstata em fase inicial, como o toque retal. Movimentos como o Novembro Azul reforçam que o diagnóstico precoce é o principal aliado no combate à doença.

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) estimam 65.840 novos casos de câncer de próstata em 2020. Para identificar em estágio inicial é fundamental que seja feito o acompanhamento com o urologista. Atualmente existem muitos tratamentos até menos invasivos quando a doença é identificada precocemente.

Pacientes que enfrentaram o câncer de próstata nos últimos anos aconselham que todos os homens devem procurar o médico, sem ter vergonha de cuidar da própria saúde. Ter essa consciência, segundo eles, é o que traz mais qualidade de vida a longo prazo.

Este é o caso do aposentado Nilton de Jesus, de 73 anos, que descobriu a doença ao notar um aumento no exame de sangue chamado PSA, que mede os antígenos específicos da próstata. Depois disso, ele passou pelo médico urologista e, em seguida, foi encaminhado para o Centro de Terapia Oncológica (CTO), sendo direcionado para as sessões de radioterapia.

“Fiz 36 sessões de radioterapia com chuva, sol, calor, frio. Então se você descobriu que está com o problema corra, vá se tratar, deixa o orgulho de lado. Posso dizer que eu estou curado, eu estou bem”, contou.

Também aposentado, Flavio Oliveira Machado, de 62 anos, diz que fazia o acompanhamento todos os anos e foi em 2016 que se deparou com o diagnóstico do câncer de próstata. “Na hora foi um choque né? A cabeça da pessoa… Não tinha nada. De repente vai fazer um exame de PSA, faz uma biópsia e descobre, mas graças a Deus tive muita força”, disse.

Flavio contou que chegou a operar e não precisou fazer o tratamento. Atualmente, ele continua fazendo apenas o acompanhamento no CTO, que é de praxe.

Quem passou por uma situação parecida foi o comerciante Osvaldo Cardoso, de 70 anos. Ele descobriu que estava com o câncer de próstata, fez o tratamento e também está na fase de acompanhamento. “A gente não deve se entregar temos que encarar a realidade. Se fugir do problema o problema toma conta de você. E foi o que eu fiz encarei o problema e estou aqui com 70 anos e estou bem”, afirma.

Sobre o diagnóstico

De acordo com Julio Vieira, médico oncologista do CTO, o rastreamento inicial é feito com o PSA e com o toque retal. A partir disso, se houver alguma alteração, ele explica que podem ser solicitados exames de imagem, como a ultrassonografia e ressonância. Caso seja identificado o nódulo, é feito o pedido de biópsia, realizado através da ultrassonografia transretal da próstata.

Julio diz que a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) recomenda que os homens comecem a fazer o rastreamento a partir dos 50 anos. Pacientes do grupo de risco, como afrodescendentes e pessoas com histórico familiar de câncer de próstata, devem fazer o exame a partir dos 45 anos. Porém, ele orienta que o acompanhamento comece aos 45 anos para os homens, em geral; e aos 40, para pacientes de grupos de risco.

Não tem comentários

Deixe um comentário